Notas sobre as intercalares dos EUA

Eram consideradas um barómetro aos dois anos de presidência de Donald Trump. E, em parte, as eleições intercalares nos Estados Unidos (EUA) desta terça-feira, desferiram um golpe à actual Administração. Os Democratas recuperaram a Câmara dos Representantes (CdR) – mas os Republicanos também dilataram a maioria que já detinham no Senado, reduzindo o impacto da chamada “grande onda azul”. Resultado: dois partidos a cantar vitória. Apesar de, objectivamente, Trump ter perdido o controlo total do Congresso norte-americano.

A vitória dos Democratas na CdR vai certamente reorganizar o equilíbrio político em Washington e, como nota a revista The Atlantic, torna-se assim no “primeiro real contra-peso” a Trump. Controlar esta ala do Congresso, passando a liderar comissões, permite-lhes assim exercer um maior escrutínio sobre a Casa Branca. Já se fala em serem conhecidas as declarações de impostos que o Presidente nunca tornou públicas. E, mais improvável, também se levanta a hipótese de dar início aos procedimentos para um processo de “impeachment”. A nova disposição do Senado é um desincentivo e, por agora, o melhor será mesmo esperar pela conclusão da investigação de Robert Mueller para tomar qualquer passo nesse sentido. Espera-se dos Democratas cautela política num contexto em que a sociedade se encontra exaustivamente polarizada. E espera-se dos Democratas que escolham as batalhas certas. “O truque será encontrar o equilíbrio certo, tanto no tom como no tópico”, referiu esta quarta-feira o editorial do jornal New York Times, que concluiu: “tendo em conta o exemplo sombrio dado pelo Presidente Trump, os líderes Democratas têm agora uma oportunidade política e também uma pesada responsabilidade. Vencer a Câmara dos Representantes é uma coisa. Restaurar alguma sanidade à política Americana e um maior sentido de propósito comum à governança Americana é outra.”

Os Republicanos viram o seu impacto legislativo ser agora reduzido. Com o regresso em força dos Democratas, “bandeiras” como a construção do muro e o fim total do “Obamacare” estão condenadas. Naturalmente, isso traz consigo o risco do discurso de vitimização por parte de Trump e do núcleo republicano nos próximos dois anos. Todavia, a reordenação do Senado poderá deixar uma marca acrescida no Supremo Tribunal, já com maioria conservadora. E isso é um problema sério. “Com um Supremo Tribunal que vai ser conservador durante décadas, os temas das decisões judiciais futuras vão sobretudo ser os prediletos de Donald Trump (…)”, escreveu esta quarta-feira Rui Tavares no jornal Público. E apontarmos baterias à questão do Supremo, alertou ainda o historiador, prende-se com a simples constatação “que a vitória de Trump em 2016 é uma vitória cujas consequências nos vão acompanhar por muito tempo.”

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s